Precisei passar por grandes sofrimentos até chegar à fonte de Vida

: "Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias."É surpreendente como Deus é amoroso e trata cada um de seus filhos adotivos (cada um de nós) de forma particular e única. Em primeiro lugar como diz a palavra em Jr 1, 5: “antes mesmo de te modelar no ventre materno, eu te conheci, antes que saísses do seio, eu te consagrei”.

Mas escrevo para testemunhar como foi o meu chamado: a história é longa, no entanto, tentarei ser breve. Já nasci em um berço católico, minha família sempre me ensinou a rezar e me levou para a igreja, isso porém, não foi impedimento para que eu me afastasse de Deus, para que eu não O conhecesse mais intimamente.

Precisei passar por grandes sofrimentos, me sentir sozinha e vazia, para chegar à fonte que saciaria a minha sede verdadeiramente. Comecei meu caminho de conversão em 2009, fui me decidir em 2011 a buscar em Deus os anseios da minha alma. E em 2012 conheci a Comunidade Filhos da Cruz em um encontro chamado: Seminário de Dons em Santa Maria. A maneira que o encontro foi conduzido, a maneira que Deus tocou em meu coração foi diferente e senti vontade de conhecer melhor este carisma, anos se passaram e eu apenas conseguindo participar quando a comunidade fazia missão na cidade que eu morava.

Finalmente chegou 2017, o ano em que mais uma vez fui surpreendida, sendo que amigos foram a mão de providência, para que uma noite, apenas algumas horas, antes do vocacional, eu tivesse condições financeiras e de locomoção para participar do Retiro Vocacional.

Vivo as coisas intensamente

Quem me conhece sabe que vivo as coisas intensamente, e não foi diferente nesse retiro, o ano vocacional e o processo formativo. Todo o tempo antes de chegar a comunidade, considero ter sido um tempo de preparação, sempre participei de todos os retiros, formações, encontros possíveis, e o meu coração que estava muito ferido e enrijecido, foi sendo modelado. Quando cheguei no Vocacional e escrevi minha carta, meu único anseio era esperar o “sim” para o início do caminho formativo. Ele aconteceu, vieram outras dificuldades, mas nada que impedisse o caminhar, a cada dificuldade lembrava que fui chamada a abraçar a minha cruz para seguir Jesus.

As dificuldades nunca superaram a alegria de saciar a sede do meu coração, encontrei o meu lugar na igreja, a minha via, o meu chamado, por meus méritos? Com toda certeza, não, mas por que o próprio Deus que me escolheu antes do nascimento, me conduziu, me segurou nos momentos mais difíceis, me levou a lugares e pessoas que foram sua voz, seus canais e hoje sou realmente feliz, a alegria que hoje há em meu coração, não passa com os desafios e estes existem a todo tempo, não importa que venham dentro do processo formativo, naquilo que preciso enfrentar comigo mesma, com a família espiritual a qual pertenço ou no meio secular.

Aprendi que todos nós estamos caminhando e que só o céu é o paraíso, aqui passaremos por tribulações, mas neste tempo: “Não vos preocupeis, pois, com o dia de amanhã: o dia de amanhã terá as suas preocupações próprias. A cada dia basta o seu cuidado.” Mt 6, 34. Tudo o que precisamos é nos dado pelo Senhor, para o único objetivo para o qual nascemos, para retornar à presença de Deus na eternidade.

Tudo foi transformado e está em constante transformação, minha maneira de encarar a vida, à família, os amigos, a tempo que estava na universidade, o trabalho.

Tudo hoje está subjugado ao meu primeiro chamado, porém preciso lembrar-me disso diariamente, depois de uma vez decidido, sou convidada a decidir-me novamente todos os dias pois, “seja qual for o ponto a que chegamos, conservemos o rumo.” Fl 3, 16. Se estamos “lá no alto”, num momento em que tudo está bem, ou se estamos “lá no fosso”, numa experiência triste e dolorida, de pecado, de ferida, de sofrimento, importa prosseguir. Uma vez que Deus fez aliança e um chamado a nós, Ele é fiel e dá a nós tudo o que é necessário para alcançar.

Como saber onde é o seu lugar? Não sei explicar com palavras, mas o seu coração saberá reconhecer. Mas há algo que posso atestar, não pare enquanto não encontrar, siga sem medo, siga sem reservas, siga decididamente, tudo o que precisares Ele te dará. Contigo pode ser tudo diferente, como falei no início, é de forma única e particular, mas ele chama a todos, mesmo que nem todos respondam, fique atento, vale a pena.

Joice Ceolin

Discípula Comunidade Filhos da Cruz

deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.